segunda-feira, 28 de outubro de 2019

Curso On-Line de Tarot de Thoth



Estaremos iniciando no próximo mês de Janeiro, todas as terças feiras às 20h. Uma nova turma de Tarot de Thoth, com duração de um ano, onde estudaremos a fundo os 78 Arcanos, fazendo a comparação entre o Tarot de Marselha, Golden Dawn (original) e Crowley.

A mensalidade é de R$ 250,00, através de depósito bancário.

Para maiores informações, escrever para: institutoaleistercrowley@hotmail.com

A Sorte e o Destino


Como lidar com o livre arbítrio e como utilizá-lo para se atingir o nosso Destino.

Um mundo que até então estava fadado a uma ordem imutável, passou a ter uma série de exceções, ou seja, toda regra passou a ter um desequilíbrio, que mesmo sem colocar em risco o Destino, criou ordálios no caminho do Destino. Toda a humanidade estaria, de agora em diante, à mercê de uma Sorte, isto é, de um livre arbítrio que não influenciaria na realização final do Destino. Esta Sorte pode ou não prejudicar o tempo necessário para a realização do Destino.

Este estado de coisas levou a necessidade de diferenciar entre Sorte e Destino. As promulgações de Enlil, e às vezes inclusive de Anu, que sempre tinham sido indisputáveis, viam-se sujeitas agora ao exame da diferença entre o NAM (o Destino, como as órbitas planetárias, cujo curso está determinado e não se pode trocar) e NAM.TAR, literalmente, o destino que pode ser torcido, quebrado, trocado (que era a Sorte ou o Fado). Revisando e rememorando a sequência dos acontecimentos, e o paralelismo aparente entre o que tinha acontecido no Nibiru e o que tinha ocorrido na Terra, Enki e Enlil começaram a ponderar filosoficamente o que, certamente, estava destinado e não se podia evitar, e o fado que vinha como consequência de decisões acertadas ou equivocadas e do livre arbítrio. Estas não se podiam predizer, enquanto que as primeiras se podiam antecipar (especialmente, se eram cíclicas, como as órbitas planetárias; se o que foi voltaria a ser, se o Primeiro também seria o Último).” - O 12º Planeta, Z. Sitchin

O Destino nada mais é do que uma realização cósmica, com a qual a Verdadeira Vontade se encontra em perfeita harmonia; enquanto que a Sorte está diretamente relacionada a uma realização terrena, subordinada aos desejos humanos. Os seres humanos buscaram o controle sobre seus Destinos e tudo o que eles conseguiram foi a manipulação de suas Sortes, o que na maioria das vezes acaba por atrasar a realização daquele primeiro. Não devemos pensar que o livre arbítrio seja algo em si completamente prejudicial à existência, este é importante para mostrar para a humanidade que a manipulação constante da Sorte é uma das causas do Sofrimento humano. Sem a compreensão das causas que levam ao Sofrimento não se tem como criar uma harmonia com o mesmo. Poderíamos dizer, no entanto, que o exercício do livre arbítrio é o que criou o estado de caos na existência, uma vez que o universo busca se manter em um estado de ordenação. O livre arbítrio gerou o desequilíbrio, mas este é também necessário para a evolução da humanidade como um todo. O objetivo final é, sem qualquer sombra de dúvida, o cumprimento do Destino, aquilo do qual nenhum ser humano ou qualquer coisa existente consegue fugir. O Destino é o que fez tudo ser como é, que jogou ao espaço a criação para que esta pudesse retornar ao seu princípio após ter ido ao final de todas as coisas: é como um bumerangue que vai até um ponto distante e retorna ao seu ponto inicial de lançamento. Pode alguma coisa escapar do seu Destino? Não. Se isto acontecesse com qualquer coisa, por menor que esta fosse, o Universo deixaria de ser o que ele é. Pequenas exceções são permitidas; regras podem ser quebradas desde que não afetem a essência das próprias regras. Assim, o universo pode se manter em harmonia e exercer continuamente esta harmonia.

Uma Pequena Introdução ao Tarot



Certamente que o estudo do Tarot não é algo exclusivo da “iniciação esotérica” e o mesmo pode e deve ser estudado por qualquer pessoa. Apesar que a sua perfeita compreensão só possa ser atingida através de uma percepção iniciática, o Tarot pode ser compreendido por qualquer pessoa, possibilitando-a a utilizar o mesmo como um conselheiro fiel e preciso.

Quando o Tarot “surge” no século XIV era algo apenas disponível para aqueles nobres e burgueses que podiam pagar para terem os seus próprios baralhos, que eram produzidos manualmente sob encomenda. No entanto, era perceptível que os 78 arcanos eram muito mais antigos e um dos exemplos era o arcano da Papisa (ou a Sacerdotisa), uma vez que o mito da existência de uma papisa remonta aos primeiros séculos do cristianismo e do período medieval. Os termos Imperador e Imperatriz são medievais e os primeiros baralhos que se conhecem são, o baralho de Marseille (francês) e o baralho de Visconti-Sforza (italiano), e ambos são nitidamente baralhos medievais.

Apesar do primeiro relato histórico se referir à França, sabemos que foi na Itália que o Tarot foi inicialmente estudado e desenvolvido os primeiros conceitos onde se relaciona os arcanos com magia, alquimia e, até mesmo, com a Cabala (judaica). O Tarot é certamente um instrumento totalmente desenvolvido no mundo ocidental, onde o inconsciente ocidental se manifesta em toda a sua profundidade. Foi na Itália, mais precisamente na Renascença e na cidade de Florença, que o Tarot se vale de todo o florescimento do pensamento grego clássico. O movimento hermético neoplatônico que teve início na Academia dos Médicis, em Florença, desafiou as crenças sagradas da época, desafiava as antigas concepções medievais e aproximava ainda mais o ser humano de Deus.

Este instrumento, que se manifestou pela primeira vez na Idade Média, teve no Renascimento um impulso que não cessaria até os dias atuais. O movimento hermético neoplatônico que acredita que dentro do microcosmo existe um macrocosmo e vice versa, desta maneira o autoconhecimento e o conhecimento do mundo se tornam acessíveis à todos os seres humanos, moldou e ainda molda o pensamento do Tarot.

O autoconhecimento empurrou os 78 arcanos para uma experiência psicológica, enquanto que o conhecimento do mundo e do universo empurrou para a agregação de diversas outras ciências. Para que isto pudesse ter se tornado tão grandioso como contemplamos atualmente, o Tarot tinha de ser desde de sempre um instrumento, oferecido à humanidade, de carácter amoral e puro. É um livro de imagens que cada um pode preencher com suas próprias ideias e pensamentos, que nem sempre podem estar corretas e quem nem sempre estarão completamente erradas, mas, certamente, em desenvolvimento constante.

Cada baralho, de acordo com as imagens e símbolos que são ali colocadas por cada autor (desenhista) conta a mesma história a partir de um determinado ponto de vista, de um determinado amadurecimento e conhecimento, ou, mesmo, de uma Sabedoria. São milhares de ponto de vista particulares e nestes podemos encontrar a Sabedoria. Parábolas místicas, culturais e históricas, sociológicas, psicológicas, mágicas, mas todas profundamente humanas.

As cartas, os trunfos, não são em si mágicas, somos nós que a fazemos se tornarem mágicas, a partir do momento que compreendemos o que elas estão querendo nos ensinar. São meras lâminas desenhadas belamente, mas que têm a capacidade de nos levarem à profundos transes e mergulhos tão profundos em nós mesmos que jamais retornamos à superfície. Inicialmente, as lâminas são como meros espelhos, mas depois elas se tornam em portas que uma vez ultrapassadas, suas chaves são perdidas e não há mais retorno. Elas que inicialmente geravam meros insights, passam a conversar abertamente conosco.

quinta-feira, 7 de junho de 2018

Um Pequeno Texto Sobre o Tarot


Este pequeno texto tem por objetivo mostrar a estrutura inicial do estudo do Tarot. Ao contrário do que sempre foi e é ensinado, o Tarot é dividido em três classes: Arcanos Maiores, Cartas Magnas ou da Corte e Arcanos Menores.

Os Arcanos Maiores que são constituídos por 22 Arcanos, são divididos em duas categorias: Personagens e Caminhos. Sendo que os Caminhos, por vez, são divididos em dois, o Caminho que o Imperador (homem da Terra) realiza e o Caminho que o Eremita realiza.

As Cartas Magnas ou Cartas da Corte, são 16 Arcanos que correspondem aos Cavaleiros, Rainhas, Príncipes e Princesas, dos elementos: Fogo (Paus), Água (Copas), Ar (Espadas) e Terra (Discos). Estes Arcanos devem ser estudados, por sua vez, de duas maneiras distintas: Personalidades e Natureza.

Os Arcanos Menores são formados pelos outros 40 Arcanos. Estes vão dos Ases aos Dez e são compostos pelos quatro elementos, estando estes diretamente relacionados às Esferas da Árvore da Vida da Cabala. Estes Arcanos nos mostram as etapas que os Personagens os Arcanos Maiores terão de passar em seu processo de evolução.

O Tarot apesar de ser utilizado como um oráculo, não foi primeiramente desenvolvido como tal. Por causa disso, quando realizamos um jogo para uma pergunta, a possibilidade de errarmos é tremendo. A Hermetic Order of the Golden Dawn, uma legitima organização iniciática do final do século XIX, nos deixou uma estrutura de como utilizar o Tarot como um método de adivinhação, onde fazemos de seis a oito jogos para uma mesma questão. O método por nós utilizado dura em média de uma hora à uma hora e meia, mas se caracteriza pela precisão.

Há milhares de baralhos de Tarot e a grande maioria se baseia no mais antigo e tradicional que é o Tarot de Marselha. Há muitos baralhos importantes, mas os mais verdadeiramente expressivos são os da Golden Dawn e o do Crowley (Tarot de Thoth). Basicamente, todos os outros se baseiam nestes três ou pegam muitas informações (certas ou equivocadas) destes.

Muitos estudantes acreditam que as interpretações variam de acordo com o baralho que estão usando, mas isto é um equívoco, pois só há uma única maneira correta de interpretar os Arcanos. Portanto, há uma maneira certa e uma equivocada de interpretar, por isso que o estudo destes três Tarots citados é crucial no aprendizado.

Antigamente, a maneira correta só era ensinada aos Iniciados, mas hoje em dia isto não tem mais necessidade de acontecer. Pois podemos ensinar a maneira Iniciática, mais aprofundada dos símbolos, ou de uma maneira mais simples e mesmo assim correta.

É claro que existe uma evolução comportamental do ser humano desde a Idade Média (Marselha), passando pela Idade Moderna (Golden Dawn) até chegarmos na Idade Contemporânea (Crowley). E é na observação destes três baralhos que podemos ver toda a grandeza e beleza do que realmente é o Tarot. A cada novo estudo e descoberta o meu fascínio pelo Tarot apenas aumenta e não dá para deixar de pensar nas palavras de Elifaz Levy: “Mesmo que um homem esteja preso em uma masmorra, se ele estiver de posse do Tarot, será o homem mais livre da Terra.”

sexta-feira, 10 de março de 2017

A Bíblia do Diabo


O tarô é conhecido por alguns estudiosos como a Bíblia do Diabo e esta ideia, ao invés de nos perturbar, deveria nos levar ao verdadeiro conhecimento que o tarô armazena em seu interior. Setenta e oito arcanos formam um baralho completo. Somando sete mais oito encontraremos quinze, sendo este o mesmo número do arcano que está relacionado ao Diabo. Setenta e oito também é, segundo a Gematria hebraica, o anjo de Marte; o iniciar de alguma coisa; a influência de Kether, como sendo a coroação e a nossa recompensa. O quinze por sua vez é o número místico de Geburah (Marte); daquilo que está oculto; e daquele que nos impele. Por sua vez, o Diabo enquanto uma descrição iniciática é Aquele que nos impele a progredir, que nos fala de uma confusão direcionada que, ao invés de nos prejudicar, nos leva à experiências diretas e maravilhosas conosco mesmo e com o mundo ao nosso redor. O Diabo é um dos dois caminhos que encontramos no tarô, sendo que este está diretamente relacionado a Iniciação e com a busca da nossa Verdadeira Vontade.


(o texto completo está em http://srgbronze.wixsite.com/sergiobronze/a-biblia-do-diabo)

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

TRATADO SOBRE O TAROT DE THOTH - VENDA DE LIVROS




Tratado Sobre o Tarot de Thoth (Crowley)
Sérgio Bronze
200 Páginas
14,5 cm Largura / 20,5 cm Altura
Um estudo pessoal e aprofundado sobre o Tarot do Crowley, tendo como base os ensinamentos contidos no Liber AL vel Legis. Um dos mais completos e explicativos textos sobre o Tarot de Thoth (Crowley) em língua portuguesa.
O pagamento é realizado apenas por depósito bancário. O livro será enviado até um dia útil após a confirmação do pagamento ou através do envio do comprovante.
R$ 52,00 já com a taxa de envio, para todo o Brasil.

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Atu II - A Sacerdotisa



A Sacerdotisa é uma referência a Sophia (Sabedoria), aquela que "se senta junto a porta, na entrada da cidade". Ela é a grande conselheira, isto é, a imagem semelhante do Magus, aquela que o auxilia na Criação. É a governante superior sobre o universo visível e, ao mesmo tempo, a intermediária entre os reinos. Ela dá forma ao universo tal qual o percebemos. Ela é a "Mãe da Vida" e por ser o que é, os homens a expulsaram da vida, tal como o demiurgo fizera com Lilith. Sophia era conhecida como "A Libidinosa".

Sophia é a alma. Portanto, o ser humano é o princípio da Sabedoria, isto é, no ser humano reside a sabedoria divina. Sophia está para o gnosticismo, assim como Lilith está para a tradição judaica. É a manifestação dela que gera a matéria e a alma.

As sete luas diante dos olhos dela são as sete esferas planetárias (ou céus) que eram para os antigos as regiões mais altas do universo criado. Ela é representada por sete mundos ou pela estrela de Babalon.

Nossa Sacerdotisa, nossa Sophia, o ser humano em estado de Iluminação pela Sabedoria é aquele que recebe de Babalon, o Espírito, a L.V.X. proveniente de Ain Soph Aur ou N.O.X. Aqui temos a Iluminação dada por Babalon, a Porta, a Casa de Babel, que se ergue aos céus sem as confusões geradas por Choronzon (o Ego). Aqui, o Magister Templi adentra a sua casa na grande Cidade das Pirâmides, erguida por ele há muitas gerações. Que ela seja a nossa Prostituta. Que nós sejamos a tua Prostituta. Erguida e abençoada pelo Círculo das Estrelas e que os sete escorpiões sejam seus protetores por toda a eternidade.

Assim sendo, ela é aquela Estrela que se projeta na direção da terra na forma de uma pomba. É ela a Filha do Equilíbrio e aquela que segue por aquele caminho invertido, onde as pessoas invertem os seus ensinamentos. Sim. A Sabedoria não é exclusividade de poucos, mas poucos são aqueles que conseguem enxergar de onde emana a Sabedoria. A Sabedoria deve ser apreendida com a frieza dos quatro.

Curso On-Line de Tarot de Thoth

Estaremos iniciando no próximo mês de Janeiro , todas as terças feiras às 20h . Uma nova turma de Tarot de Thoth, com duração de um ano,...