Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2015

Atu II - A Sacerdotisa

A Sacerdotisa é uma referência a Sophia (Sabedoria), aquela que "se senta junto a porta, na entrada da cidade". Ela é a grande conselheira, isto é, a imagem semelhante do Magus, aquela que o auxilia na Criação. É a governante superior sobre o universo visível e, ao mesmo tempo, a intermediária entre os reinos. Ela dá forma ao universo tal qual o percebemos. Ela é a "Mãe da Vida" e por ser o que é, os homens a expulsaram da vida, tal como o demiurgo fizera com Lilith. Sophia era conhecida como "A Libidinosa". Sophia é a alma. Portanto, o ser humano é o princípio da Sabedoria, isto é, no ser humano reside a sabedoria divina. Sophia está para o gnosticismo, assim como Lilith está para a tradição judaica. É a manifestação dela que gera a matéria e a alma. As sete luas diante dos olhos dela são as sete esferas planetárias (ou céus) que eram para os antigos as regiões mais altas do universo criado. Ela é representada por sete mundos ou pela estrela de Babalon. Nos…

Atu V – O Hierofante

Todos estão aos pés dele; ele que tem o direito divino de vida e morte sobre todos. A estrutura de seu poder foi criada para por aos seus pés o controle sobre as sociedades. Ele sempre com face sorridente e sem qualquer virtude prega a dor e o pecado, oprime seus seguidores através do medo, da mesma maneira que é oprimido por Aqueles que estão acima dele. Ele expressa aquilo que todos gostariam de ouvir, pois a palavra que o rege é: congregação. Ele une ou congrega os fracos de vontade e lhes indica um caminho, o caminho dele. Ele se esconde em uma face de bondade e de “sabedoria”. Esconde-se na postura do santo guru e do sábio mestre, e todos o escutam, o seguem e o defendem de qualquer acusação. Quem segue o Hierofante é porque ainda não sabe realmente o que quer. Sua “verdade” gera morte, conflitos, retrocessos sociais e culturais. Ele faz com que todos acreditem em suas mentiras, fruto de alguma experiência mística que ele transforma em uma “verdade coletiva”. O Hierofante não …